Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Conversas e Café

Como sobreviver ás aulas online?

Aulas online. Um sacrifício gigante. Não é das melhores coisas para se aprender, é só um desenrasque face ás circunstâncias em que se vive. Para mim, é algo em que é muito fácil de se desconcentrar. E depois, acabo todas as aulas a pensar "mas o que é que falamos hoje?". Até verificar os meus apontamentos, sinto - me perdida no que foi dado. Para além de tudo isso, contribui para o sedentarismo e digo isto porque inexplicavelmente, os horários são péssimos, falo por mim. Detesto-os!

Mas hoje, vim dar-vos algumas dicas que vos podem ajudar a sobreviver a este martírio enquanto se espera por tempos melhores e mais felizes. E estas dicas podem ser facilmente adequadas para o vosso ano de escolaridade independentemente se estão no ensino básico, secundário ou superior. Não importa se estão no 5ºano, no 12ºano ou na universidade, estas dicas podem mesmo ajudar-vos para garantir o sucesso académico à distância. 

 

Escolher um ambiente tranquilo 

Procurem um sítio para ter aulas online que seja calmo, sem interferência de barulhos ou distrações, longe da família que vive convosco sobretudo. Para além de tranquilo, escolham também um sítio bem iluminado preferencialmente com luz natural para aumentar, não só, a produtividade e otimismo mas também a energia, tudo aquilo que necessitamos particularmente de manhã cedinho. 

 

Escolher apenas o material essencial à aula

De modo a evitar desatenção, é importante manter somente o material necessário à aula. Assim material de escrita, caderno/bloco de apontamentos, computador (com o separador do zoom - ou de qualquer outra plataforma -, sempre a preencher a tela principal) e pouco mais que isso. Tudo o que seja tecnologia que estejam a mais, como telemóveis, tablets, etc. e que seja alvo de distração mantenham-nas longe. 

 

Incluir uma garrafa de água e alguns snacks por perto 

De forma a manter o corpo sempre hidratado e também para refrescar as ideias, ter sempre uma garrafa de água ao pé de vocês é o ideal para que, durante as aulas online, quando necessário, possam dar um gole para oxigenar as células do cérebro, a ajudar-vos a manter mais produtivos e claro, sempre hidratados. Já quanto aos snacks, não é para comer durante as aulas em vez de estar atentos à matéria, é para aqueles momentos em que os professores se estendem nas horas e terminam a sua sessão de Zoom, por exemplo, na hora da próxima aula, é muito útil para qualquer estudante pois nem necessitam de perder tempo em ir à cozinha buscar qualquer coisa para comer enquanto o professor da aula seguinte já adiantou a matéria. 

 

Gravar aulas 

Talvez dos temas mais controversos das minhas dicas. Se souberem o que estão a fazer não haverá problemas. Este método é interessante não para quem decide ligar a plataforma e voltar para a cama dormir mais um bocado ou estar mais ocupado a jogar LOL e outras coisas. Este método é interessante e realmente produtivo para aqueles alunos que gostam de aprender, de estar atentos e que não querem perder nenhum apontamento. Nas aulas por vezes torna-se difícil acompanhar o raciocínio dos professores e apontar tudo o que eles dizem, e que é do nosso interesse, sobretudo no ensino superior, na vida universitária. Daí o truque é gravar a aula em questão e apontar nas margens da folha os minutos em que não conseguiram apanhar de tal maneira que depois possam rever os mesmos. Há imensos programas que gravam a tela ou até mesmo o áudio. Ou então utilizem a  "gravação de voz" do vosso telemóvel para registar o áudio das vossas aulas. Mas antes, experimentem o programa ou até mesmo o gravador do vosso telemóvel, num vídeo no YouTube para ver se efetivamente resulta. E no final das aulas, vão recuperar somente esses momentos, aquelas que anotaram anteriormente, e acabar de anotar as ideias que estão em falta.  

 

Tirar apontamentos 

Para além de gravar as aulas, é ainda mais importante tirar os apontamentos das mesmas. É fundamental para se orientarem no estudo. Têm que aprender a filtrar tudo o que foi dito na aula entre o essencial e acessório ao mesmo tempo que tirem as vossas notas durante as aulas e não somente ficar à espera dos apontamentos de um colega. Se quiserem podem sempre pedir para comparar e ver se podem acrescentar mais alguma coisa aos vossos mas, se utilizarem a dica anterior, não terão esse problema de pedir apontamentos a ninguém. 

 

Carregadores e extensões sempre por perto

Não há nenhum computador que sobreviva estar ligado de manhã à noite sem carregar pelo menos uma vez. Especial com as plataformas utilizadas para ensino à distância como é o caso do Zoom, que consomem tanto, torna-se impossível. Por esse motivo é sempre importante possuir um carregador por perto pois quando o computador pedir carga, é só introduzir o mesmo na entrada e assim não correm o risco de sair da chamada por este se desligar sem carga. Caso estejam longe das tomadas, pensem em ter uma extensão sempre ligada à tomada e por sua vez ligada ao carregador para que tais incidentes não aconteçam. E devo confessar que esta dica já me salvou umas quantas vezes. 

 

Estas foram as dicas principais para arrasarem no ensino remoto.  

Espero que tenha sido úteis para vocês. 

✩ Bons estudos! ✩

 

Ensino Profissional e acesso ao ensino superior SEM EXAMES

Eu não sou de falar sobre estas coisas, muito menos de intrigas mas não consegui ficar indiferente a esta notícia. 

IMG_1340.PNG

É minimamente revoltante, não só para nós, alunos de cursos científicos-humanísticos que nos matamos de manhã à noite a estudar e a contar cada décima para podermos atingir os nossos objetivos e entrarmos no nosso curso de sonho mas também para os professores que se dedicam a nós para que possamos atingir os nossos objetivos e que fazem de tudo para nos ajudar a ultrapassar qualquer dificuldade que a matéria lecionada nas aulas possa causar, mas ninguém pensa nisso, não é verdade?

Mas é ainda mais revoltante para mim. Eu que tive de perder mais um ano da minha vida a fazer melhorias para puder entrar no ensino superior, eu que me dedico a quinhentos por cento e que me preocupo com o dia de amanhã para agora chegar estas pessoas e decidirem que, efectivamente, os alunos do profissional podem candidatar-se às universidade com o privilégio de nem realizarem exames nacionais (só falta mesmo estenderem o tapete vermelho para eles passarem, juro!). Exames esses que serve como prova de ingresso para entrar no curso e que para eles não é (mais) necessário. 

A sério, o que será que eles têm de diferente de nós? Só porque têm mais carga horária do que nós, alunos ditos "normais"? Sim, até podem ter mas isso não implica que nós, alunos "normais", depois das horas de aulas não tenhamos atividades extracurriculares ligadas à escola como explicações, apoios e tudo mais que também preenchem grande parte do nosso tempo. 

Pergunto-me que sociedade andamos nós a criar? Uma sociedade que não luta pela vida e que têm tudo de forma fácil? 

Vamos lá ver estes exemplos hipotéticos, um indivíduo vai ao médico com dores e uma data de sintomas, o médico que lhe analisa (que estava no curso profissional de eletricidade, por exemplo) às tantas até pesquisa no Google os sintomas e dá-lhe o diagnóstico errado e prescreve uma medicação nada a haver à doença real do paciente. Um outro indivíduo vai a um outro profissional de saúde com os mesmo sintomas, o médico (que estudou biologia desde o 10º ano) não falha no diagnóstico e prescreve a medicação indicada. Qual dos indivíduos tem mais probabilidade de sobreviver e de curar-se? Ah pois! 

Não que tenha nada contra às opções de ensino que cada um escolhe seguir contudo há limites e devem ser clarificados. 

Para mim, o ensino profissional, tal como o nome indica, deveria ser específico para pessoas que pretendem fazer o 12º ano numa formação em específico e que não queiram ingressar no ensino superior. Enquanto que nos cursos científicos-humanísticos, os alunos que lá estiverem inseridos, pretendem completar o 12º ano e eventualmente prosseguir com os seus estudos até ao ensino superior. 

Isto assim era perfeito, ninguém tirava o lugar de ninguém e as águas estavam devidamente separadas. Pois estou certa que a facilidade de tirar 19 ou 20 valores é muito maior no ensino profissional do que num curso científico-humanístico independentemente do que ele for. Daí e só por isso a minha revolta.

O facto de alunos deste "método de ensino" conseguirem entrar com maior facilidade no ensino superior pelas médias incríveis e ainda por cima sem exames, bom constatar, e nós alunos "normais" que andamos todos tontos a somar todas as décimas para pudermos seguir o nosso sonho e concluir os nossos objetivos. E é tão frustrante esta situação ao ponto de eu não me conseguir me calar mais, já chega de gozarem da nossa cara e de desrespeitarem os nossos professores!

E o pior pensar é que isto mesmo só acontece em Portugal... enfim!

 

(Podem ler a notícia aqui)

 

 

A autora

foto do autor

Translate

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub